Estudante de Itajaí Utiliza a Fibra do Coco para Tratamento de Água

Estudante de Itajaí Utiliza a Fibra do Coco para Tratamento de Água

Projeto está sendo desenvolvido nas aulas do Programa de Iniciação Científica do Colégio Bom Jesus

A estudante do Ensino Fundamental Rafaela Chassot de Almeida está pesquisando a capacidade de as fibras do coco participarem como agentes no tratamento de água. A ideia foi concebida nas aulas de Iniciação Científica do Colégio Bom Jesus Itajaí (SC) no ano de 2023, quando foi feita a primeira parte do projeto com testes no laboratório da escola. A aluna usou agentes e corantes em três frascos com água poluída e concluiu que as fibras de coco têm o poder de remover determinados contaminantes da água. 

Em 2024, ela pretende dar continuidade ao projeto com novos testes na água para, em breve, viabilizar a criação de um filtro para água com o material. O projeto, intitulado “Utilização de resíduos da fibra do coco para tratamento de água: uma abordagem sustentável na remoção de poluentes”, foi premiado na Feira de Iniciação Científica do Colégio no ano de 2023 com o certificado Renault de Inovação, na categoria “Terra”. 

Para fazer o teste inicial, Rafaela retirou as camadas do coco (mesocarpo seco), secou suas fibras em um forno e no sol, desfiou-as e só depois inseriu tudo nos três tubos de água. “O coco tem uma estrutura porosa, capaz de reter os sedimentos. Então, por causa dessa característica, ela já tem o poder de absorver nutrientes. E com os agentes e o corante foi possível verificar isso melhor ainda”, analisa a estudante e pesquisadora. O professor e orientador da Rafaela, Rafael Faria Giovanella, diz que a experiência realizada com a água nos recipientes, até o momento, já apontou que a fibra tem essa capacidade. “Agora, queremos potencializar o experimento com a agitação da água e o controle de temperatura, o que vai nos mostrar novos resultados”, explica o professor.

A agitação e o controle de temperatura farão parte da segunda etapa da pesquisa da Rafaela, que deve ser desenvolvida este ano, com a ajuda de um agitador magnético, equipamento que estão procurando. Dessa forma, Rafaela pretende aperfeiçoar ainda mais o mecanismo. “Queremos criar um filtro de água com a fibra do coco”, diz. 

A aluna conta que começou a estudar o coco porque sempre teve a intenção de trabalhar com algo relacionado ao meio ambiente. E, como em Itajaí esse material é abundante, seria interessante utilizá-lo ‒ até para colaborar com o descarte correto do coco, que na maioria das vezes fica jogado na praia. “Como moro no litoral, é sempre visível que as pessoas jogam fora uma parte do coco que poderia ser bem utilizada”, comenta Rafaela.

Cascas de frutas e vegetais (como arroz, banana etc.) já vêm sendo utilizadas como mecanismo de eliminação de resíduos. O trabalho da Rafaela, por sua vez, utiliza-se do mesocarpo da casca do coco, o que ainda não tinha sido testado e pode ser uma grande promessa na preservação das águas. 

Iniciação Científica 

Com base em propostas diferenciadas, combinando formação pedagógica e estímulo ao potencial criativo, o Colégio Bom Jesus incentiva a pesquisa científica desde as séries iniciais até o Ensino Médio, quando envolve seus alunos no Programa de Iniciação Científica, preparando-os para a pesquisa, a experimentação, a tabulação de dados, a participação em feiras nacionais e no exterior, entre outros. “Com esse trabalho, aprendi muitas coisas de que eu não tinha conhecimento ainda, como conceitos de Química e Física, por exemplo, as estruturas das fibras e a longa pesquisa, pois iniciei investigando outros materiais, como manga e pêssego”, conta a estudante. 

Por meio do programa de Iniciação Científica, o Colégio estabelece um caminho para ampliar as perspectivas de um ensino interdisciplinar, trazendo para a Educação Básica o ambiente acadêmico. O coordenador do projeto no Colégio Bom Jesus, Adalberto Scortegagna, destaca que o papel das escolas é proporcionar que os estudantes sejam protagonistas em todas as suas atividades, e a pesquisa é uma delas. 


==

Grupo Educacional Bom Jesus

Resultado de uma proposta pedagógica inovadora e que valoriza os ideais humanistas franciscanos, o Grupo Educacional Bom Jesus investe na formação integral e de qualidade, sendo reconhecido nacionalmente por sua excelência na Educação Infantil, Ensino Fundamental, Médio e Superior. Detentor das marcas Colégio Bom Jesus e FAE (FAE Centro Universitário e FAE Business School), o Grupo atua em cinco estados brasileiros, sendo fonte de credibilidade e pioneirismo na educação há mais de 125 anos.

O Colégio Bom Jesus oferece formação completa, da Educação Infantil ao Ensino Médio, com unidades localizadas nos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. A FAE Centro Universitário está presente nos estados do Paraná e Santa Catarina e conta com mais de 20 cursos de graduação. A FAE Business School oferece mais de 50 cursos de especialização lato sensu, programas de MBA, sendo um semi-internacional ou internacional, educação executiva e programas in company, com cursos direcionados e personalizados para empresas e executivos. 

A Pós-Graduação da FAE proporciona ao aluno grades flexíveis e metodologias exclusivas, para obter os melhores resultados para sua vida. Tendo como mote principal o “seu negócio é você”, a FAE considera que investir na carreira, nos estudos, no aperfeiçoamento constante, adquirindo, transformando e aprimorando habilidades, é uma necessidade premente para o sucesso. O conceito de lifelong learning está presente, colocando o aluno como protagonista na resolução de problemas. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *